A arrecadação de impostos federais tem surpreendido os brasileiros a cada mês que se passa. Esse ano já atingiu 1,1 trilhões de reais em impostos com 17 dias de antecedência com relação ao mesmo período de 2016, quando a marca só foi possível em 22 de julho. Mas, o curioso é que essa arrecadação aumentou em função da correção na carga tributária e isenções de impostos, e não como sendo produto final do aumento da atividade econômica que continua muito baixa.

Estamos ainda muito longe de sair dessa crise que se instalou e afundou nossa economia. Se não fosse suficiente, entramos de cabeça numa outra crise mais perversa que é a crise de credibilidade que se entranhou no mercado interno devido aos desmandos políticos causados pelos escândalos de corrupção.

"A população já não suporta mais ver tamanha carga tributária sendo desviada para sustentar uma máquina pública cheia de vícios e dominada por uma classe política podre, que domina boa parte dos poderes da república. É dinheiro do povo que sustenta mordomias e financia os redutos da corrupção", ressalta Canindé Pegado, presidente do SINCAB".

O valor pago pelos brasileiros em impostos neste ano alcançou R$ 1,1 trilhão na noite de segunda-feira (3), segundo o “Impostômetro” da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). No ano passado, o mesmo montante foi registrado em 22 de julho, o que revela crescimento da arrecadação tributária.

A marca de R$ 1,1 trilhão equivale ao montante pago em impostos, taxas e contribuições no país desde o primeiro dia do ano. O dinheiro é destinado à União, aos estados e aos municípios.

“Mesmo com o país sofrendo os efeitos da recessão, a população brasileira continua sendo uma das que mais paga impostos em todo o mundo. Esperamos que as dificuldades do governo sejam resolvidas pelo lado dos gastos e não com qualquer tipo de aumento de tributos”, diz Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

O painel eletrônico que calcula a arrecadação em tempo real está instalado na sede da associação, na Rua Boa Vista, região central da capital paulista.

O total de impostos pagos pelos brasileiros também pode ser acompanhado pela internet, na página do Impostômetro (www.impostometro.com.br). Na ferramenta, criada em parceria com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), é possível acompanhar quanto o país, os estados e os municípios estão arrecadando em impostos e também saber o que dá para os governos fazerem com todo o dinheiro arrecadado.

 

Go to top