Endividados até o pescoço, sem dúvida é o perfil de milhares de brasileiros acostumados ao consumo desenfreado e sem nenhuma programação em suas contas. Para muitos, ainda empregados, tornou-se um dilema saber controlar os gastos para não acabar inadimplente no final de cada mês quando recebe o salário. Já para outros, a inadimplência é um problema em sua vida por conta do desemprego e queda da renda que tomou conta do país. Inflação, juro alto e escassez de crédito foram fatores determinantes para o aumento da inadimplência.

Desde 2012 não se via tanta gente devendo na praça. 61 milhões de brasileiros foram incluídos no cadastro de inadimplentes do Serasa Experian por não pagarem dívidas com empréstimos pessoais, faturas de cartão de crédito, contas de luz e telefone, entre outras. São mais de 274 bilhões de reais em dívidas atrasadas até maio. Isso significa que, em média, cada pessoa deve R$ 4.059.

"São poucos os que ainda estão escapando da inadimplência. Em tempos de vacas magras, todos estão sendo afetados pela crise que desencadeou em desemprego e uma significativa queda de renda. Para piorar a economia continua travada e atingida por escândalos de corrupção, que retiram do mercado os investimentos e provocam mais recessão e desemprego. Enquanto não expurgarmos os maus espíritos da roubalheira generalizada, pagaremos o preço da carnificina em cima do trabalhador", explica Canindé Pegado, presidente do SINCAB.

Soraia Aparecida dos Santos se endividou para fazer faculdade; Fábio Chagas para ajudar um amigo; e Roberto Iglesias para montar um negócio. Os três pegaram crédito por motivos diferentes, mas hoje vivem o drama de milhares de brasileiros que não conseguem pagar as contas em dia. Com renda em queda e desemprego, as dívidas logo saem do controle. Uma pesquisa da empresa de recuperação de crédito Recovery, feita pelo Data Popular, mostra que hoje o brasileiro inadimplente deve, em média, três vezes o que ganha e, em alguns casos, acumula até 20 dívidas diferentes.

A maior parte das dívidas foi feita nos últimos três anos - período que coincide com o agravamento da crise econômica. De 2014 para cá, a taxa de desemprego mais que dobrou, atingindo 14 milhões de brasileiros. Ao mesmo tempo, a população teve de conviver com a disparada da inflação, escassez de crédito e juro alto. Foi uma combinação perfeita para o aumento da inadimplência (contas em atraso por mais de três meses), que hoje atinge um contingente de 61 milhões de brasileiros. "É metade da população economicamente ativa", afirma o presidente da Recovery, Flavio Suchek.

O número de inadimplentes é o maior em pelo menos cinco anos - início do indicador de Inadimplência do Consumidor da Serasa Experian. "Diferentemente de outros períodos, a inadimplência elevada não é resultado de excesso de endividamento - até porque a carteira de crédito está em queda", diz Luiz Rabi, economista da Serasa Experian. "Não é que o brasileiro está se endividando além da conta, é justamente o impacto da crise, com o desemprego em nível recorde. Não é que ele não quer pagar - ele não tem é dinheiro."

 

Perfil

Na pesquisa feita pela Recovery, o inadimplente tem várias caras e foge de qualquer estereótipo. Um quarto dos endividados pertence à classe alta e 40% têm ensino superior, sendo que 10% são pós-graduados. Na média, cada brasileiro inadimplente tem três dívidas acumuladas, que somam R$ 8.370.

Apesar de a maioria dos inadimplentes ainda estar trabalhando, foram o aumento do desemprego e a queda na renda que turbinaram a escalada do atraso nos pagamentos. De acordo com a pesquisa, 43% dos entrevistados apontaram o desemprego como o grande vilão por não estarem em dia com as contas. Outros 19% disseram não ter renda para pagar a dívida, sendo que 27% deles pertencem à classe baixa.

O diretor do Data Popular, Dorival Mata-Machado, afirma que a pesquisa mostrou uma nova percepção da população brasileira em relação à inadimplência. "As pessoas estão menos preocupadas com o nome sujo e mais com o que é justo." Isso significa que os devedores têm pleiteado melhores condições de pagamento, com descontos maiores e juros menores. Mas essa percepção só aparece quando a empresa de cobrança bate na porta da casa dos inadimplentes para receber a dívida. "Até então, a maioria não faz ideia de quanto deve e de quanto paga de juros", diz Suchek. Ainda segundo a pesquisa, 36% dos inadimplentes não sabem o tamanho de sua dívida.

Isso denota que, além de um cenário econômico adverso, pesa na equação - e no bolso - a falta de conhecimento financeiro do brasileiro.

"O brasileiro tem dificuldades para lidar com o dinheiro. Para começar, ele superestima a sua renda, em média, em 8%", afirma Bruno Poljokan, diretor da plataforma de crédito online Just, do grupo GuiaBolso. "Há ainda falta de informação sobre as modalidades de crédito, principalmente as mais caras, como cheque especial e cartão de crédito", diz ele. Segundo dados do GuiaBolso, quase 40% dos usuários do aplicativo que pagaram juros mensais de ao menos R$ 5 no rotativo disseram acreditar que não estão endividados.

Esse quadro, aos poucos, vai se modificando. Segundo Mata-Machado, do Data Popular, os jovens são os que mais fazem exigências no acerto de contas, por estarem mais conscientes. "Essa população cresceu num período de bonança. Se estivesse com o orçamento apertado, fazia um bico, se endividava e corria atrás. Hoje eles estão tendo de fazer mais contas."

De qualquer forma, a maioria dos inadimplentes quer renegociar a dívida, especialmente para voltar a consumir. Embora 79% deva mais para os bancos, é no comércio que o número de dívidas per capita é maior. São 2,59 dívidas por inadimplente.

Embora uma alternativa recomendada para os devedores seja trocar uma dívida cara por uma barata, quando o montante for muito grande, aconselha Poljokan, o ideal é insistir na renegociação, seja do valor, dos prazos ou condições.

 

Go to top